Doze atitudes que estimulam a inovação na empresa

Há muitos executivos e empresas que precisam se preparar para trabalhar com o inédito. Enquanto alguns já fazem isso, outros tentam, mas não conseguem. Existem muitos fatores que matam as ideias antes mesmo de elas serem testadas. O foco tem de ser concentrado na ideia. Ela é o instrumento mais efetivo de diferenciação, da verdadeira inovação empresarial. Porém, para ter boas ideias, é necessário ter a criatividade bem desenvolvida, estimulada e valorizada. 

A 3M é um dos clássicos exemplos que provam que a Criatividade nas empresas é um bom negócio. A empresa tem a filosofia de solucionar problemas dos consumidores por meio de inovações, e nada menos que 30% de seus lucros provêm de produtos com menos de quatro anos de existência. Não é por acaso que ela detém mundialmente a marca The Innovation Company.

As empresas que praticam a criatividade corporativa no dia a dia desenvolvem facilitadores internos, reconhecimento dos funcionários, ausência de punição por erros e estímulo à experiência. Além disso, praticam o permanente treinamento de suas equipes em criatividade.

Com a experiência em palestras e workshops presenciais e online sobre a metodologia de Processo Criativo para empresas desde 1999, listei 12 atitudes que tornam o ambiente empresarial aberto à criatividade e, consequentemente, à inovação, confira! 

 

Atitudes para estimular a criatividade e a inovação na empresa

A empresa precisa manter um canal permanente de comunicação com os seus funcionários. Vários meios podem ser usados para isso: mural, circular, jornal ou revista internos, e-newsletter, e-mails, vídeos e outros. 

 

1 – Comunicação corporativa

Bem informados sobre os problemas, as oportunidades e as dificuldades da empresa bem como sobre as atividades da concorrência, os funcionários poderão usar seu potencial criativo para apresentar soluções criativas e gerar inovações que vão ao encontro dos objetivos corporativos. Em princípio, isso tudo é aplicável à sua comunicação também com filhos, esposa, amigos. Contate o coração de todos eles.

 

2 – Desafie

É preciso que a empresa demonstre gosto por desafios e compartilhe isso com seus colaboradores. Atitudes como desafiar um funcionário ou um grupo a encontrar soluções para um determinado problema, simplificar um processo ou sistema, melhorar a qualidade de um produto ou encontrar novos canais de distribuição são muito motivadoras e produtivas. Que tal desafiar-se a encontrar mais tempo para ficar com seu filho e ouvir o que ele quer lhe contar?

 

3 – Elimine a hierarquia rígida

A empresa que mantém uma hierarquia rígida inibe a criatividade das pessoas. Num sistema assim, como elas se sentirão à vontade para apresentar uma ideia criativa para seus superiores? Como terão acesso a alguém de posição mais elevada? A rigidez hierárquica é algo que você pode combater na própria vida familiar. Role no chão com as crianças, deixe o terno amassar e o cabelo despentear. E, se a camisa rasgar, não se incomode: a risada que os baixinhos vão dar terá feito valer a pena.

 

4 – Exija mais, jamais aceite uma única ideia

A exigência positiva (não aquela que serve só para estressar, irritar e desgastar) força as pessoas a usar mais seu potencial de criatividade e inovação. Jamais aceite uma única ideia, pois isso é pouco. Quem tem mais de uma ideia tem mais de uma opção. Nas empresas pela qual trabalhei em toda minha vida como executivo, nunca aceitei uma ideia só. Quando algum funcionário vinha à minha sala apresentar a solução de um problema ou uma nova ideia, a primeira coisa que eu dizia era: “Ótimo. E quantas ideias você tem para resolver esse problema?”

Se o funcionário tivesse apenas uma, eu pedia para que ele pensasse em mais cinco opções e que voltasse para conversar. O resultado da minha exigência é que todos eram estimulados (ou impelidos) a usar mais seu potencial criativo. Chegamos a uma fase em que ninguém entrava na minha sala com menos de três ou quatro ideias diferentes para cada assunto.

Produzindo múltiplas ideias, você verá aumentar suas chances de solucionar as situações. Isso sem falar que uma ideia puxa a outra. Sempre pratiquei o exercício de associar ideias com meus filhos desde muitos pequenos para que eles já se habituassem a usar toda a sua criatividade.

 

5 – Desligue o piloto automático

Há uma tendência do ser humano à acomodação. É muito mais fácil deixar as coisas no piloto automático, não questionar nada e ir levando a vida da maneira como sempre o fizemos. Há uma boa razão por que você não deve permitir isso: o fato de uma coisa ser feita sempre da mesma maneira não significa que seja a melhor maneira. Assim começa a gestão da criatividade. 

 

6 – Acabe com os preconceitos

“Sua ideia já foi tentada no passado e não deu certo.”

“Isso não vai funcionar.”

“Que outra empresa já fez isso?”

“Os clientes estranharão essa mudança.”

“O departamento jurídico não aprovará a ideia.”

 

É muito comum ouvirmos frases como essas ao apresentarmos uma ideia criativa e inovadora. Preconceito, como a própria etimologia já diz, é um pré-conceito que nem sempre se aplica à situação ou que carece de fundamentos mais concretos.”Por que?” é a pergunta mais adequada para questionar um preconceito.

 

7 – Permita-se experimentar

Punir alguém por seus erros é um dos grandes inibidores da criatividade nas empresas. As pessoas, com medo de punição, tornam-se omissas. Uma pessoa omissa pode não cometer falhas, mas também não traz nenhum benefício para a empresa.

 

8 – Valorize a iniciativa

Quando alguém trouxer uma ideia, agradeça-lhe, mostre-se realmente interessado e considere a aplicabilidade da questão. Isso não significa que a ideia seja boa, exequível, interessante ou compatível com os objetivos da empresa. E, se ela não for aproveitável, explique clara e sinceramente o porquê ao autor. Em seguida, estimule-o a dar novas ideias sobre outros assuntos. Com isso, a pessoa se sentirá valorizada e terá orgulho em continuar usando a própria criatividade em benefício da empresa.

 

9  – Apoie

Dê suporte para os que se esforçam para ter ideias e buscar novos caminhos, soluções, melhorias, reduções de custo e outros.

 

10 – Proporcione recursos

Existem vários tipos de ideias. Algumas são de tão simples execução, baratas ou benéficas que nos dão motivo para exclamar:”Poxa! Como não pensamos nisso antes?”

Há ideias que necessitam de verbas e suporte estratégico, como aquelas que requerem o desenvolvimento de produtos em laboratório. O técnico que está desenvolvendo a nova ideia certamente precisará comprar materiais para os testes, encomendar serviços externos, utilizar matérias-primas etc. Se ele não tiver recursos para trabalhar, sua ideia não saíra do papel. Nesse caso, a empresa corre o risco de perder competitividade ou permitir que a concorrência lance algo similar.

 

11 – Questione as normas

Um dos grandes inibidores da criatividade e da inovação são as normas da empresa. É claro que nenhuma organização pode prescindir de normas, pois sua administração seria caótica. Mas muitas dessas regras, que foram importantes quando criadas, perderam o sentido com o passar do tempo e as mudanças nos negócios e no mundo.

Uma norma que perdeu o sentido só serve para bloquear a criatividade e a inovação na empresa, porque sempre haverá um burocrata para dizer com todo entusiasmo:”A norma não permite.” Por isso, estimule o questionamento das normas. Avalie se as regras vigentes ainda fazem sentido ou se existem porque ninguém parou para questioná-las.

O excesso de normas engessa o cérebro das pessoas e, consequentemente, reduz a competitividade da empresa.

 

12 – Desenvolva novos produtos

Novos produtos, esse é o nome do jogo. Brevemente, 50% dos novos produtos não existiam cinco anos atrás.

Veja um exemplo concreto de sucesso através da inovação: a Gillette mantém a liderança por meio da inovação e do constante lançamento de produtos.

Os aparelhos de barbear foram inovadores desde a sua primeira versão, há mais de 60 anos. O que mede os ganhos obtidos com tanta inovação é o mercado consumidor de 700 milhões de usuários de aparelhos Gillette em 200 países.

Agora, reflita sobre uma frase de Bill Gates em reunião com seus funcionários: “Precisamos deixar nossos produtos obsoletos antes que os concorrentes o façam.”

Espero que o artigo tenha sido útil.

Como palestrante e consultor posso desenvolver o comportamento criativo e inovador nas suas equipes. Eu ensino o uso do Processo Criativo, uma metodologia simples e prática para ser usada no dia a dia para otimizar resultados em todas as áreas da empresa. 

Fique à frente da concorrência!

Fale comigo diretamente por AQUI

 

Até breve!

Antonio Carlos Teixeira da Silva
Palestrante e consultor em inovação empresarial
Autor do livro INOV-AÇÃO: Como criar ideias que geram resultados

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Copyright © 2021 – Criatividade Corporativa. Todos os direitos reservados | Política de Privacidade | Desenvolvido por AGÊNCIA TRIBO